Processos

Processo TIG – variantes

O processo TIG apresenta algumas variantes, dentre as quais podemos citar a soldagem TIG por pontos, TIG com corrente pulsada eTIG com arame quente ou “hot wire”.

soldagem TIG por pontos

A variante de soldagem TIG por pontos é feita manualmente, utilizando um porta eletrodo do tipo pistola, constituído de um eletrodo centrado com bocal resfriado a água e um interruptor de controle da operação. O bocal deve ser adequado ao perfil da soldagem e dispositivos especiais são utilizados para garantir a distância entre a tocha e a peça.

Os sistemas de controle de tempo, corrente, gás, água e alta frequência são geralmente automáticos devido à complexidade das sequencias de soldagem.

A soldagem por pontos pode ser feita com corrente alternada ou com corrente contínua e polaridade negativa. A penetração é controlada por meio de ajuste da corrente e de sua duração; é preferível, em alguns casos, utilizar impulsos múltiplos de corrente em vez de um único impulso de longa duração.

soldagem TIG com corrente pulsada

Na variante de soldagem TIG com corrente pulsada, a corrente varia entre um nível de pico e um nível de base. A alternância de corrente entre o pico e a base permite o enchimento automático da cratera que é formada normalmente no final do cordão de solda durante a retirada da tocha.

níveis de pico e base

O nível de pico apresenta elevada intensidade de corrente, duas ou três vezes superior à intensidade utilizada em corrente contínua comum; o nível de base é caracterizado por corrente baixa e tempo de base suficiente para evitar a extinção do arco elétrico mas que proporciona o resfriamento da poça de fusão.

parâmetros de pico e base

Os parâmetros de pico são escolhidos de acordo com o cordão que se quer obter; os parâmetros de base devem permitir a solidificação da poça de fusão e, portanto, trabalhar com baixa intensidade de corrente e determinar o tempo necessário para a manutenção do arco elétrico.

equipamento para TIG com corrente pulsada

O equipamento para soldagem TIG com corrente pulsada pode ser o convencional, com curto-circuito nas resistências de saída por meio de contatores ou relês que aumentam a corrente, ou equipamentos com transdutor ou amplificador magnético, que permitem a mudança de nível da corrente também por meio de contatores ou relês. Outro sistema mais flexível é a fonte de energia com controle direto por transistores, que permite obter qualquer tipo de corrente pulsada com qualquer duração.

vantagens do TIG com corrente pulsada

A corrente pulsada permite a existência de um cordão descontínuo formado por uma série de pontos. Uma das vantagens deste procedimento é dar espaço a variações externas tanto do processo quanto do material, tais como posicionamento das peças e geometria da junta, entre outras. A tolerância operatória é devida principalmente ao fato de que a poça de fusão se solidifica parcialmente entre os pulsos, permitindo um rápido escoamento do calor. Outra vantagem é notada quando se trata de soldagem automatizada, pois a corrente pulsada evita problemas como variações de aporte térmico ou do calor consumido; estas variações provocam faltas de penetração que não podem ser corrigidas pelo operador mas são solucionadas pelo pico e base da corrente.

aplicações do TIG com corrente pulsada

A soldagem TIG com corrente pulsada é também adequada ao trabalho automatizado, uma vez que os picos de corrente possibilitam controle eficaz da penetração. É aplicado com sucesso na soldagem de chapas de diferentes espessuras, de juntas com escoamento assimétrico de calor, em soldagens de penetração total em chapas finas e em passes de raiz em chapa grossa.

soldagem TIG com arame quente

A variante de soldagem TIG com arame quente ou “hot wire” é semelhante à soldagem convencional com material de adição; a diferença está em que neste processo, o arame consumível é aquecido por efeito Joule até atingir uma temperatura próxima de seu ponto de fusão, ainda antes de entrar em contato com a poça de fusão.

Para aquecer o arame, utiliza-se uma fonte secundária de energia que gera a corrente necessária ao aquecimento; o arco funde o metal de base, origina a poça de fusão e esta funde o arame pré-aquecido pela corrente. A fonte alternativa garante a redução dos riscos de interferência magnética no arco. O pré-aquecimento do arame não é recomendado no caso de soldagem de alumínio e cobre puro devido à baixa resistividade desses metais.

adição de energia

Na soldagem com arame quente, a adição de energia provocada pelo aquecimento pode aumentar a taxa de deposição em níveis superiores aos obtidos pelo processo TIG convencional com material de adição; este fato permite reduzir o número de passes em soldagem multipasse e aumentar a velocidade de execução. Além disso, é necessário levar em consideração o diâmetro do arame e sua resistividade, pois estes fatores influenciam a quantidade de calor fornecida por efeito Joule na parte do arame que está fora do bico de contato.

aplicações do TIG com arame quente

A soldagem TIG com arame quente é utilizada nos trabalhos com aço carbono e aço de baixa liga, aço inoxidável, ligas de cobre e ligas de níquel.

 Link Relacionado:

Soldagem – Coleção tecnológica SENAI – 1ª ed. 1997

 

SHARE
RELATED POSTS
Soldagem a laser – Equipamento
Processo oxicombustível – Fundamentos
Soldagem por resistência – equipamento

Deixe seu comentário

*